Número de pessoas mais jovens hospitalizadas cresce


A situação da pandemia no Brasil nunca esteve tão agravada. Apesar do início da vacinação, os números não param de subir, causando uma sobrecarga do sistema de saúde em algumas regiões do país.


Embora a COVID-19 tenha se mostrado uma doença imprevisível e com diversas mutações, sintomas e sequelas diferentes em casa caso, seus “padrões”, como o grupo de risco da doença, por exemplo, eram mais absolutos.


Porém, atualmente, o aumento na procura por cuidados médicos e da necessidade de hospitalização de pessoas mais jovens assustam os profissionais da saúde, que vê o “perfil” dos enfermos mudar drasticamente.



Ainda não há dados oficiais exatos mas, segundo relatos de profissionais da linha de frente, as internações e óbitos de pessoas com cerca de 60 anos, vem aumentando cada vez mais.


Isso é considerado um motivo de preocupação pois, no início da pandemia, o grupo mais afetado era, principalmente, o de acima de 70 anos. Porém, em contra partida, também pode indicar a eficácia e o reflexo do início da vacinação no país, que começou pelos profissionais da linha de frente e idosos.


Mudanças


Para efeito de comparação, só em Manaus, local com alto índice de infecção e berço da nova cepa da doença no Brasil, a taxa de óbitos para pessoas de 60 anos, no mês de novembro do ano passado, correspondia a 29,5%. No último mês, esses dados subiram para 40,4%.


Fora a queda da faixa etária das vítimas, alguns outros casos pontuais assustam a comunidade médica, como recentes quadros graves da doença, e até mesmo óbitos, em um jovem (29 anos), uma adolescente (16 anos) e até mesmo uma criança (7 anos). Porém, estes casos são minoria e considerados raros. Estes citados aconteceram na cidade de Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul.


Apesar disso, a média de idade das vítimas no país, contando desde o início da pandemia, é de cerca de 70 anos ou mais. Porém, essa mudança no panorama e aumento de casos em pessoas mais jovens, é um forte alerta que mostra o poder de mutação da doença.


Além disso, também indica que a vacinação está alcançando os resultados esperados, uma vez que os casos e óbitos em pessoas do grupo considerado de risco, vem aos poucos diminuindo.


A vacinação no país segue em andamento, contando com cerca de 8,7 milhões de pessoas já vacinadas (cerca de 4,13% da população brasileira). O Brasil segue o programa de vacinação contra a COVID-19, contando com 3 vacinas já protocoladas, que são as da: Coronavac, Oxford e Pfizer.


Se vacinar é a melhor forma de se prevenir e proteger quem você ama. Procure se vacinar assim que possível. O PrevSaúde apoia a vacinação.



Fontes: https://www.jornalnh.com.br/noticias/regiao/2021/03/11/aumento-de-vitimas-jovens-de-covid-ja-comeca-a-preocupar.html

https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2021/02/mortes-de-pessoas-com-menos-de-60-anos-por-covid-registra-crescimento.shtml

https://saude.estadao.com.br/noticias/geral,numero-de-vacinados-contra-a-covid-19-no-brasil-chega-a-8-7-milhoes,70003642268


101 visualizações0 comentário

PrevSaúde ®️  - 2021